Quarta-feira, 22 de Janeiro de 2014

A minh´alma não é mais que um campo de saudades

 

Estar só. Sentir-se só. Ser só.

 

As palavras que se escrevem, em forma de desabafo. Palavras escritas quando ninguém existe para as ouvir.

Existe a noite escura. Existe a casa vazia. Existo apenas. Aqui, só, neste espaço, neste lugar que não existe.

Tudo vazio e negro. Aqui e agora. Muitos vazios. Muitos negros. Muitos agoras.

Resta a saudade. Restam as saudades. Saudades são tudo quanto resta. De quem partiu. De quem se ausenta. E saudades de mim.


Desabafos de alemvirtual às 20:56
link do post | Deixe o seu comentário | favorito
Segunda-feira, 26 de Março de 2012

Zita

Sei que uma pessoa, ao ler este texto vai chorar. Sei que outros ao lerem não irão entender. Mas sei que estas palavras tinham de ser escritas.

Pode-se amar um animal como se ama uma pessoa. Passa a ser parte da família. Ela funciona integrando o animal. Condiciona-se a ele. Age-se em função da sua existência e das suas necessidades. Por isso, quando esse animal parte, deixa a mesma dor e o mesmo vazio. Sei isso porque haverá sempre um lugar vazio deixado por uma pessoa e sei-o porque o vazio que um animal (hoje) deixou, provocou a mesma reação de perda.

 

Há algum tempo que não choro. O choro, como o riso, faz parte da vida, das emoções que regulam o comportamento. Expressam sentimentos, por isso, chorar deve ser tão aceite socialmente como o sorriso. Por vezes, interrogo-me se a sensibilidade me abandondou. Como é possível recordar a perda vivida e não chorar? Quem já passou por situações semelhantes (e ainda bem que não é a norma, mas a execção, embora existam milhares por esse país fora, mas se evitem, como se evitar as tornassem menos reais, como se falar delas normalmente fosse algo de anormal), dizia eu que, quem já passou pela perda de alguém muito querido, sente, por vezes, culpa de continuar a sorrir e sorrindo questiona-se sobre se a normalidade não seria o estado choroso, em permanência. Cada um lida com as perdas o melhor que consegue, porém o tempo de luto é fundamental. Aceitá-lo é necessário. Mais ou menos imediato, mais ou menos prolongado, com as reações que melhor ajudem a reencontrar o equilíbrio; porque o equilíbrio é a chave da própria sobrevivência.

 

Hoje chorei. Não muito, mas foi inevitável. Outra pessoa está inconsolável. Sei o que é. Vai ser necessário tempo para que a vida reencontre o seu equilíbrio e, pouco a pouco, a perda não se sinta de modo tão violento. Irá sempre ficar a saudade. A recordação dos olhos brilhantes, das brincadeiras, da interação, da inteligência e do afeto.

O cão, como nenhum outro animal estabele uma relação quase humana com os donos e estes passam a percecionar o animal como um elemento da família. Ridículo? Não para quem entendo o que digo.

 

A Zita era uma rafaeira, arraçada de podengo. Encontrada numa lixeira, abandonada, quando era um bebé minúsculo lembrando um cão "a pilhas". Cresceu numa família que a adotou. Foi uma cadela feliz. Amada. Mimada. Cuidada. Hoje morreu. E é essa morte que é chorada.

Os animais sentem a falta das pessoam a quem se dedicam e as pessoa sentem a falta do animal a quem dedicaram uma vida de afeto.

 

À Zita (pode-se homenagear um animal? Não importa a resposta.) uma homenagem, neste post, de carinho por ti, cadela "estúpida" e aos teus donos que te querem muito.


Desabafos de alemvirtual às 22:29
link do post | Deixe o seu comentário | ver comentários (4) | favorito
Sábado, 3 de Março de 2012

Silêncio da noite

No silêncio da noite, a vida passa lá fora. Fora das paredes, onde há gente que ri e gente que chora. Lá fora, onde há gente faminta e gente que regressa a casa depois de uma noite de excessos. Aqui não se passa nada. Tão pouco tenho certeza que exista aqui gente.

Existe o tempo. Esse tempo arrastado lentamente, nos passos entre o quarto e a varanda pequena. Mais pequena, ainda, que a esperança do tempo. Não devia existir tempo, nem gente com tempo. Amanhã será outro dia. Como ontem. Como no dia antes de ontem. Como no dia depois de amanhã. O tempo e o silêncio são os verdadeiros algozes da vida.


Desabafos de alemvirtual às 00:22
link do post | Deixe o seu comentário | favorito
Terça-feira, 20 de Setembro de 2011

Uma gaiola como tantas outras

Conheço uma varanda que tem uma gaiola. Uma gaiola de grades finas e brancas. Tem três poleiros, um recipiente com água e outro com alpista. Nessa gaiola vive um mandarim. Costumo vê-lo, pela manhã, quando o sol se ergue e ele desperta. Agita as asas. Sacode as penas e põe-se a cantar. Sei que olha através das grades, empoleirado no sítio mais alto. Olha o mundo e os pássaros que, livres, esvoaçam em redor. Têm ninho nos ramos das árvores próximas, ou passam a noite, encostados um a um, sob a proteção da folhagem.

Sei que o mandarim voa com eles, em asas de desejo de ver o mundo. Junta-se a alguma ave solitária e com ela ensaia voos felizes no ar fresco da manhã. À tarde, quando o sol aquieta os voos, abriga-se no beiral da varanda. Espera apenas que o calor abrande para voltar à brincadeira. Solta risos no bando juvenil. Desfia memórias com as aves mais idosas. Aquelas que regressam ano, após ano ao mesmo local. Sei que é um mandarim com sede de vida, de mundo. Mas vive atrás das grades. Vive preso numa gaiola branca de grades. Vive livre porque sonha e os sonhos não se prendem. Olha o mundo do poleiro mais alto. Distante. Sem coragem para descer.

Acho que se escolhesse o poleiro mais baixo, o mundo ficaria mais perto dos seus olhos. Se olhasse a sua gaiola, veria que tem uma porta sempre aberta. Se agitasse mais as asas saberia que pode voar. 

Vive sozinho. Provavelmente, morrerá sozinho. Apenas um pássaro que vive em asas de sonhos. Espreita a madrugada. Apenas olha. Olha, olha. Declina o sol no horizonte. As trevas abraçam a Terra. Já não vê, mas continua olhando o mundo.

Tenho pena deste pássaro. 


Desabafos de alemvirtual às 22:57
link do post | Deixe o seu comentário | favorito
Domingo, 18 de Setembro de 2011

As minhas preocupações para o novo miléno

Texto escrito em 7 de Julho de 2000, pela Margaret (16 anos, nº2, 11ºG)

 

O "Novo Milénio" poderia ser entendido como uma viragem definitiva na mentalidade. Tantos preparativos, tantos discursos, tantas promessas, tantas campanhas de sensibilização, tanto trabalho em vão, se nada se modificar.

A entrada no novo ano é vista de uma forma esperançosa e com expectativas positivas. No entanto, eu penso que este optimismo é ilusório e nada se irá alterar...se nada for feito.

Há tanto a mudar, e a simplicidade desta mudança é revoltante. Bastaria a união; sim só a união iria fazer frente a todos os tormentos. Um dos tormentos a que me refiro, pode ser, por exemplo, o impacto humano na Natureza. Ela - a Natureza - tem sido uma vítima constante do Homem, contudo, ele esquece-se que a destruição da natureza está associada à destruição do próprio Homem. O Homem é elemento da natureza, mas há muito que tenta negá-lo; há muito que tenta dissimulá-lo e, para isso, tem-se afastado gradualmente das suas origens e tem criado uma natureza utópica: de betão, cimento e poluição. Na verdade, esta "floresta" artificial traz o conforto, o luxo e o consumo. Só que, infelizmente, esta harmonia e conforto serão passageiros, e a próxima fase irá ser a extinção da espécie humana, em detrimento de um desejo de ilusão e de prazer tão apreciados pela "minha" raça.

Terei eu de sofrer pelos actos não por mim praticados?

 

Margarette D.


Desabafos de alemvirtual às 16:33
link do post | Deixe o seu comentário | favorito
Sábado, 20 de Agosto de 2011

Missa em memória da Margaret (Margot)

 

Quase 4 anos...Quatro anos sobre o último teu aniversário de nascimento. Esse é que importa. Entre esse dia e o dia do teu falecimento decorreu a tua vida. Uma vida de 24 anos. Exigente, inconformada, lutadora. Aliaste a beleza à inteligência. A sensibilidade e a emoção, à razão. Foste Luz. Foste Paz. Foste Martírio. Foste Paixão. Poucos estiveram à tua altura. E foi assim, linda e meiga que partiste. Com um sorriso no rosto e a ternura no olhar. Repousas em tons de azul, porque tu foste (e és) uma Estrelinha Azul, que partiu cedo em busca do seu lugar no céu. Junto do Pai, tu brilhas e velas por todos nós.

 

Dia 31 de Agosto completam-se quatro anos sobre esse dia da partida. Deixaste muitas saudades em todos quantos te conheceram.

 

Dia 2 de setembro, pelas 19h 15 min, em Constância, na Igreja Matriz, será celebrada missa em tua memória. A todos os amigos que queiram e possam estar presentes, nós ficaremos gratos por, em conjunto, recordá-la e dizer alto o seu nome.

Menina-mulher, tanto nos ensinaste!

 

"As coisas vulgares que há na vida
Não deixam saudades
Só as lembranças que doem
Ou fazem sorrir

Há gente que fica na história
da história da gente
e outras de quem nem o nome
lembramos ouvir

São emoções que dão vida
à saudade que trago
Aquelas que tive contigo
e acabei por perder

Há dias que marcam a alma
e a vida da gente
e aquele em que tu me deixaste
não posso esquecer"

 

Ninguém pode esquecer...

Amo-te, filha


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Desabafos de alemvirtual às 23:32
link do post | Deixe o seu comentário | favorito
Sexta-feira, 19 de Agosto de 2011

Memórias - Margot

 

 

Do que menos me recordo é da tua voz. Perde-se na memória. Escuto-a, mas não a consigo reproduzir. Era única. 

Cruzeiro "Pérola do Atlântico", em Agosto de 2002. As últimas semanas do mês dos teus 19 anos. Festejados a bordo.

Uma prenda especial. A pulseira "Pedra da Lua" comprada em Marrocos. Uma prata lindíssima, trabalhada em fios finos, lembrando a nossa filigrana. E a pedra. A pedra que adoraste, mal a viste de relance...

 

Abro um dos teus álbuns. Leio:

Terça-feira, 30 de Agosto de 1983, 10h 30 min, nasci. Pesava 3,750Kg. Media 58 cm. Cabelos castanhos. Olhos pretos. 

 

 

 

 

 

 

 

 


Desabafos de alemvirtual às 16:25
link do post | Deixe o seu comentário | favorito
Quarta-feira, 17 de Agosto de 2011

Mais perto do céu

Não se pode dizer tudo - diz-lhe.

Claro que não! Nunca digo tudo. Aliás, fica sempre muito por dizer. Sentimentos não cabem, nem se esgotam em palavras. A alma não se desnuda em público e as emoções não seriam, decerto, boas companheiras para confidências.

 

Parece que muito se expõe, mas deliberadamente, apenas se expõe o que se quer. Pequenos laivos de uma tela profunda, multicolorida, multiformatada em traços e contrastes de cor, luz e palavras.

 

Regressar a casa arranca sentimentos nostálgicos e contraditóros. O tempo que sabemos ter chegado ao fim. O outro tempo que se inicia.

 

Muitos metros acima das nuvens, pensamos "será que estamos mais perto do céu"?

 

 

 

 


Desabafos de alemvirtual às 00:59
link do post | Deixe o seu comentário | favorito
Sábado, 23 de Julho de 2011

Mensagem para uma noiva

Parabéns! Felicidades, noiva chamada Paula, médica e amiga da Margaret. Parece que estudaram juntas.

Não sei quem és, embora me tenham dado outras referências que não vou colocar aqui, obviamente. A Margaret estudava psicologia. Tu, pelos vistos medicina. Mas em algum lado, em qualquer tempo, vocês se aproximaram. Parece que foram amigas. Que acompanhaste o seu infortúnio. Por isso, quiseste vir colocar o teu ramo de noiva na campa dela. Ofereceste-lho. Foste a segunda noiva a fazê-lo (não sei se terá havido mais. De vez em quando aparecem ramos muito bonitos). 

Intrigava-me aquele ramo já meio seco no mármore. Fitas de seta vermelha, bordado com pérolas lindas. Julguei ser um ramo de noiva e não me enganei. Hoje, confirmei e ao saber um pouco do teu desejo em oferecê-lo à Margaret, tua amiga, fiquei ainda mais emocionada. A pele arrepiou-se com aquela corrente de emoção que sobe, sem saber de onde, e se centra no peito, apertando-o. As lágrimas assomam aos olhos. Gestos simples como aquele que tiveste, emocionam. 

Passados quase quatro anos, desde que ela partiu, ainda existem muitas pessoas, conhecidas e outras desconhecidas que procuram saber em Constância onde está. Não é difícil identificar. Mármore branco, uma Nossa Senhora de Fátima protectora e as estrelinhas que enfeitam a campa... Dois cães de peluche lembram aqueles que deixou, e a foto em tons de azul, mostra o rosto da nossa Estrelinha Azul.

Hoje, queria deixar aqui uma mensagem de gratidão por teres deixado, por momentos, a felicidade do teu dia e ires falar em surdina com a tua amiga. Abençoada sejas.

 Entalei-o, entre a lápide e a Nª Srª de Fátima para que não voasse com o vento.

 

Ana Margaret Pinto Cotovio dias Martins

30 de Agosto de 1983 a 31 de Agosto de 2007

Amamos-te

Até à eternidade, a tua luz brilhará em nossas vidas

 

E à medida que o tempo passa, a sua luzinha brilha na vida de mais gente.

Obrigada Paula.

 

 

 

 

 No dia do seu casamento, a prima Xana (que tinha crescido como irmã, também lhe foi oferecer o ramo)


Desabafos de alemvirtual às 23:11
link do post | Deixe o seu comentário | favorito
Segunda-feira, 18 de Julho de 2011

Quando a saudade bate

 

Saudade pulsante no peito, ao compasso deste sopro de saudade. Mansamente...

 

Não, agora não. Abrupta como a chuva batendo na vidraça.

Fria.
Brusca. Como a saudade que escorre em veias de sangue gélido.

 

Preciso do calor dos teus beijos. Do afago dos teus braços. Cálidos como o sol que se pressente. Sol enganador em turvas passagens frias. Mas não. Não. 

Teus braços são quentes e neles me refugio.

Vejo-te e revejo-te na luz do meu caminho.

Encontro-te nas árvores que dançam...os teus olhos confundidos com a terra.

Adivinho o som dos teus passos. Em sorrisos feitos luz.

Tu és o verde dos campos. O céu turvado em cinza.

És tudo. E tudo sem nada seres.

 

Dói a saudade. E não sei se bate a chuva lá fora ou cai no meu coração. Não sei se escorre nos vidros ou sangra dentro do peito.

Sei que, saudades de te ver, doem mais que saudades de te não ver.


Desabafos de alemvirtual às 22:38
link do post | Deixe o seu comentário | favorito

Pedaços de mim


Sou...

Outras almas amigas

. 10 seguidores

pesquisar

 

Janeiro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
23
24
25

26
27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Desabafos...

A minh´alma não é mais qu...

Zita

Silêncio da noite

Uma gaiola como tantas ou...

As minhas preocupações pa...

Missa em memória da Marga...

Memórias - Margot

Mais perto do céu

Mensagem para uma noiva

Quando a saudade bate

Outras páginas de vida...

Janeiro 2014

Março 2012

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

SAPO Blogs

subscrever feeds